Nenhum de nós

Já era madrugada quando recebi uma mensagem de um grande amigo virtual. Um cara especial, que eu gostava e admirava cada dia mais. Não tinha introdução ou justificativa, apenas reflexões:

“Sou um escárnio. Não sou mais do que cólera travestida de razão, dourada por engodo. Sei quem sou, sei o que sou, sei como sou. Sou aversão, odiosidade, repulsa; meu nojo é enorme e imensurável. Odeio todos e preciso de todos, como um doente terminal que odeia sua comida asquerosa, mas depende dela. Quero escarrar na cara das pessoas, a mesma face que beijo e exalto, cubro de louvores, na esperança vil de que façam o mesmo. Sou ira, e todos são como eu; repugno-os, por assim serem, por me repugnarem, por odiarem, por me odiarem, por odiarem que eu odeie-os e, ainda assim, sorrirem, como num círculo, já que não têm início e são infinitos. Sou antipatia, raiva, rancor.

“Sou o mundo; tudo sou eu e eu sou tudo. Nada existe sem meu olhar e a vastidão é minha criação mental, que desaparece quando a esqueço. O menor dos atos é para mim; a existência é uma peça ensaiada para meu desfrute, meu deleite, que inexiste, pois é mal acabada, com enredo patético, risível, abominável. Chacinaria todos os atores, torturaria cada um deles, se não fossem eu mesmo, na verdade. Isso dói. Não a dor dos fracos, dos ignóbeis, dos imbecis. Esses, cretinos, uso com maestria. Mas a dor de um deus que rejeita sua criação, que execra seu trabalho, pois o mundo é meu e faço o que quero. Manipulo, julgo, engano. Meu prazer se esconde na minha existência; ele nunca vem, está sempre no próximo passo, na próxima vingança, no próximo inepto humilhado, no ignorante desdenhado, na coerção do servil e do obnóxio. Isso alivia minha dor.

“Mas jamais me conhecerás. Não porque não me conheças, mas porque já me conheces e não queres me conhecer. És privação desesperada, ausência infinita, imensurável carência; colossal e indisfarçável carência, abjeta, rasa, pueril. És a busca exasperada, incessante e descontrolada pelo equívoco tranquilizante, pelo conforto, por um instante de consolo. Porque és fraco, patético, humano. Desesperado e medíocre, confias em cada um dos meus enganos conscientemente, e esforças-te para te iludir e, assim, aliviar-te. Cada vocábulo meu é um conforto para tua angústia, tua infinda amargura, débil, angústia que sempre sentirás. Isso te machuca e, para isso, te dedicas. Assim, és cada dia mais frouxo, e, por ser, cada dia serás mais, pois sempre sucumbirás aos placebos que te tornam ainda mais anêmico.

“Foges de quem não te cobre de confetes, rejeitas os que te socorrem com os fatos. Tudo para te aquietar no aconchego da tua fragilidade, no amparo do teu ninho de falsidades. Do nosso ninho de falsidades. Essa é a nossa sina, cretino.”

Estranhei a mensagem. Ele não é assim. Talvez estivesse deprimido ou com algum problema pessoal, não sei. Pouco importa, pois ele não é assim. Não vale a pena perder tempo se preocupando com essas coisas. Preferi deletar.

Sei que ele não é assim.

Anúncios

5 Comentários

Arquivado em @arturdotcom

5 Respostas para “Nenhum de nós

  1. Débora barros.

    Tenho a mesma razão. Mas não rejeitaria a idéia de um amigo isso demostra o quanto confuso e indignado está. Talvez queira desabafar ou algo que tenha em mente pretendendo algo pior. Essa é minha opnião.

  2. Lisandra

    Seu texto me lembrou um trecho do Nietzsche “… por fim, o gênio que sobrevive ao sofrimento que lhe cria e lhe acompanha acaba superando as noções de “bom” e “mau”, e a moral existirá apenas como um vestígio de uma cultura inferior: enfim quando a tábua de sua alma estiver totalmente coberta de esperiências, ele não desprezará nem odiará a existência e tampouco e amará mas estará acima dela ora com o olhar da alegria, ora com o da tristeza, e tal como a natureza terá uma disposição ora estival, ora outonal.Quando o seu olhar tiver se tornado forte o bastante para ver o fundo, na escura fonte de seu ser e de seus conhecimentos, talvez também se tornem visíveis para você, no espelho dele…”

  3. anônimo

    ele não é assim e vc também não!? Ou vc quer se esconder mesmo no ninho de falsidade ou ele está levemente perturbado ou os dois ou nenhum dos dois. O q parece é q num dia de fragilidade, expôs o q achava e isso n abalou a falsidade, ops amizade de vcs. Parabéns pela sua visão iludida, ops otimista das coisas. Visão!? pera…

  4. Anônimo

    Me identifiquei, Arturo ❤
    Parabéns pelo ótimo texto. E, por favor, sem hiatus~ agora que o idiotidiano voltou em… quero texto toda semana. 2 beijos.

  5. Magnifico, descreveu a grande maioria da sociedade e as distrações que temos para evitar confrontar a realidade, nós tornando mais anêmicos. Impossível não se identificar eu odeio todos e preciso de todos, odeio o fato deles odiarem que eu os odeie-os.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s