Arquivo da tag: Relacionamentos

Esperando no bar

Estávamos voltando para casa quando ela resolveu passar no mercado. Algumas compras eram necessárias e até mesmo urgentes, insistia. Eu estava de mau humor e disse que esperaria no bar da frente. Em pé ao balcão beberia cerveja gelada, talvez comesse um pastel frio. Nosso amor já durava oito anos e era desesperador que ninguém decretasse seu fim. Ainda a avistei saindo com duas sacolas tentando se equilibrar como uma balança. Não me mexi para ajudar e esperaria que ela atravessasse a rua para tomar qualquer atitude. Estava cansado e a cerveja gelada ainda por acabar. Ela atravessava a rua meio sem jeito quando a sacola rompeu. Antes mesmo de entender o que tinha rolado no chão, um carro a atropelou. Seu couro cabeludo voou como um escalpo depois da sua cabeça arrastar no chão. Só depois consegui ver as latas de Coca Zero sambando no asfalto até o meio-fio. Aquilo não era tão necessário que justificasse a ida ao mercado.

Anúncios

6 Comentários

Arquivado em @escuerzo

A vida vai tão rápido

Suas lembranças eram de sonhar o dia inteiro. Tudo passou como um raio e aquelas lembranças se tornam um borrão. Não pode deixar de se revoltar com o que lhe tiraram: carreira, sucesso e habilidade. Sua conduta era irrepreensivelmente medíocre fora dos rinques. Repetia chorando diante do espelho jamais ter sido tamanho pecador para merecer este castigo físico. Um acidente no qual ninguém se machucou, somente ele que ia no banco de trás dormindo. O carro derrapa no asfalto congelado e bate com a lateral contra um poderoso pinheiro. A lateral do Henrique. A cabeça cortada, fragmentos de vidro nos olhos e um cotovelo esmagado enquanto ninguém mais sofreu nada.

Ele foi um bom momento, pensou. A vida vai tão rápido que só fazemos o que achamos certo. Fechando os olhos e o que passou por sua cabeça foi a história da sua vida. Os bons momentos vão e vêm e tudo aquilo que queria era que durassem um pouco mais. Em sua mente apenas cabia a reflexão sobre os que teve e o por quê deles terem um fim.

Aquele momento com Bia era outro. Desejou ter esse momento para sempre. Como se o tempo parasse se e enquanto prendesse a respiração. Era hora de voltar para casa, o lugar ao qual pertence. Uma terra onde se é permitido sonhar. Com a menina em seus braços se permitiria repensar toda a sua vida longe dos pecados que não cometeu e das penas que cumpriu por isso. Bastava apenas abraçá-la e todas as portas se abririam. Aquela fria e cinza Saint Paul coberta de neve ficou para trás.

O inverno de uma vida se acaba por causa do olhar de ternura cheio de amor e desejo dela. Os dois seguiriam em frente para ver as flores se abrir na primavera. Fechou os olhos e isso passou. Primeiro uma idéia, depois um abraço. E depois a descoberta de que o amor é essencialmente simples.

4 Comentários

Arquivado em @escuerzo